Ilex paraguariensis - Erva Mate

A palavra mate deriva do quíchua matty que designa a Cuia ou seja, o recipiente onde o chá era bebido ou sorvido por um canudo de cana ou bambu.

A erva-mate (Ilex paraguariensis) é uma árvore de pequeno porte entre 4 à 8 metros de altura.

A planta é nativa da  região sul  do  Brasil e países vizinhos e de suas folhas se faz o “Mate” que é o chá mais consumido pelos brasileiros.

Seus frutos são extremamente atrativos  a  pássaros de várias espécies e seu porte é bastante ornamental podendo ser utilizada em cercas-vivas ou plantada isoladamente.

Resiste bem a baixas temperaturas.


Luz: Pleno sol e meia sombra.

Solos: Solos férteis com bom teor de umidade, parcialmente arenosos e Profundos.

Origem: Brasil, América do Sul.


Árvore adulta
Detalhe flores
Curiosidade
Lenda da erva-mate
Os Guarani contam a lenda da Caá-Yaríi

Uma das tribos nômades se deteve nas ladeiras das serras onde nasce o rio Tabay e, quando retomou seu caminho, um dos membros da tribo, um índio velho e cansado pelos anos, ficou refugiado na selva, na companhia de sua filha Yaríi, que era muito bonita. Um dia, chegou ao esconderijo do velho um homem que possuía uma pele de cor estranha e se vestia com roupas esquisitas, a quem receberam com generosidade.

O velho ofereceu ao visitante uma carne assada de acuti, um roedor da região, e um prato de tambu, que é preparado com uma larva de carne branca e abundante que os Guarani criam nos troncos de pindó.

Conta a lenda que o visitante era um enviado do Deus do Bem, que quis recompensar tanta generosidade proporcionando-lhes algo que pudessem oferecer sempre aos seus visitantes e que poderia encurtar as horas de solidão às margens dos riachos onde descansavam. Para eles, fez brotar uma nova planta no meio da selva, que chamou de Yaríi, deusa que a protegia, e confiou seus cuidados a seu pai, Cáa Yaráa, ensinando-lhe a secar seus ramos ao fogo e a preparar uma iguaria que poderiam oferecer a todos os que os visitassem. Desde então, a nova planta cresce, oferecendo folhas e galhos para preparar o mate, que passou a ser o mais belo símbolo da generosidade das terras.
fonte: Wikipédia

Tradutor